banner

25 de jul de 2011

ATLETIBAS: DECISÕES

ATLE-TIBA: O MAIOR CLÁSSICO DO PARANÁ
DECISÕES: QUEM VENCEU MAIS ?

 
Que o ATLETIBA é o maior clássico paranaense, isso todos já sabem. Também todos já sabem, que tanto torcedores de coxa e atlético se agitam durante a semana quando esse jogo coloca frente a frente os dois clubes mais tradicionais do Estado, tanto que muitos dizem que o CLÁSSICO ATLETIBA, é um campeonato à parte. 


Muita história, muita rivalidade, ídolos, goleadas, goleadores e muita tradição sempre envolveu às duas equipes durante muitos anos, em confrontos que ficaram marcados na história.

Pois bem, se esse clássico envolve tanta rivalidade, tanto que virou uma rivalidade histórica, o que dizer então quando um ATLETIBA vale um campeonato? Sem dúvida alguma a cidade pára, os sentimentos de ansiedade se multiplicam e a rivalidade histórica que segundo uns, nasceu no primeiro ATLETIBA que decidiu o campeonato, já outros afirmam que começou num jogo amistoso, mas independente de quando tal rivalidade começou, a verdade é uma só: O DERBY ATLETIBA é um marco cultural e um patrimônio do nosso Estado.                 


Por isso o blog trará um breve relato sobre todas as vezes que o CORITIBA E CAParanaense se enfrentaram e tal jogo valia o título do CAMPEONATO.


Amigo amante da história do futebol, dos clássicos e você amigo torcedor COXA-BRANCA em especial viaje comigo nessa linha do tempo, e relembre todas as vezes que o CORITIBA conquistou o título estadual em cima do maior rival.

 CAMPEONATO PARANAENSE 1941
(CFC 1 x 0 CAP em decisões)

História

A primeira vez que um ATLETIBA decidiu um campeonato foi no ano de 1941 e quem saiu vencedor foi a equipe do ALTO DA GLÓRIA.

Antes de levantar o caneco a equipe do CORITIBA teve que lidar com a desconfiança por parte de muitos, pois entrou desacreditada na competição. 

Além disso, a decisão também ficou marcada pelo preconceito, ato praticado por JOFRE CABRAL, um jovem torcedor do time da baixada, que depois viria a ser PRESIDENTE "deles", começou a insultar os jogadores do CORITIBA em especial Hans Egon Breyer, xingando-os "Coxa-Branca - Coxa - Branca".

Como o time tinha jogadores de descendência alemã, naturalmente, tinham a pele muito clara. Vale lembrar que o time do CORITIBA sempre foi acusado injustamente de ser um clube racista(calúnia que a história se encarregou de desmentir), entretanto quem desprezou os atletas do COXA por serem de origem alemã, foi JOFRE CABRAL, e foi ele quem praticou o VERDADEIRO RACISMO. 

Depois com o tempo o apelido virou marca dos torcedores do CORITIBA.

A COMPETIÇÃO

Apesar das goleadas aplicadas no primeiro turno pelo CORITIBA contra Ferroviário por 4×1, Juventus 8 x 2, e Savóia 5×3, quem levou o primeiro turno, foi o time da baixada.

Porém o segundo turno quem levou foi o CORITIBA e pela primeira vez desde a fundação do time da baixada em 1924, oriunda da fusão, a decisão do campeonato seria entre a dupla.

Além da atitude racista de JOFRE CABRAL, contra o atleta do CORITIBA, outros fatos marcaram aquele campeonato, pois antes das partidas finais, o CORITIBA implantou pela primeira vez no futebol paranaense a concentração para os jogadores. 

A decisão teve duas partidas vencidas pelo CORITIBA, uma no Joaquim Américo por 3 x 1 e outra no Belfort Duarte por 1 x 0.

A campanha que garantiu o título em 1941 foi a seguinte
10 vitórias – 3 empates – 1 derrota  
Time Base: Ari, Breyer e Augusto; Tonico, Isaac (Aldo) e Janguinho (Warde); Batista, Pio, Neno, Rubinho e Saul.
Artilheiro da equipe: Neno (28 gols)

Depois em 1943 e 1945 a dupla se encontrou novamente nas finais e quem levou foi o time da baixada. 
(Virando em 2 x 1 as decisões para o CAP)
Somente em 1968 a dupla iria se encontrar numa decisão.

CAMPEONATO PARANAENSE 1968
(CFC 2x2 CAP em decisões)
História 
Segundo alguns historiadores esse foi um dos campeonatos mais emocionantes, devido a vários fatores que envolveram esse certame.

No time da baixada alguns fatos foram marcantes, como por exemplo a manobras políticas realizadas por Jofre Cabral, já como presidente,  para o retorno do CAParanaense a elite, já que no ano anterior havia caído pra segunda divisão.  


Depois de confirmado na Primeira divisão, Jofre Cabral montou um time com algumas estrelas como Bellini, Djalma Santos, Nair, Zequinha, entre outros.

Outro fator marcante foi a morte de Jofre Cabral, durante um jogo do CAParanaense em Londrina.

No CORITIBA Evangelino buscava reforços, já que a equipe havia sete anos que não ganhava o Estadual e com os reforços pontuais a equipe coxa-branca começou a apostar no entrosamento dos seus atletas.



Competição

 
Assim como em 1941, o CAParanaense também em 1968 levou o primeiro turno. No returno o CORITIBA começou empatando em 3 gols com a equipe do Paranavaí o que levou o técnico Helio Alves dar lugar a Fransisco Sarno.

A troca deu certo e na segunda partida do returno o CORITIBA venceu a equipe do Britânia por 3 x 0. Porém apesar da vitória a partida ficou marcada por outro fato, só que triste, pois o Coxa perdia o seu maior ídolo por alguns meses; Krüger, que sofreu uma fratura na perna.

Para conquistar o RETURNO e forçar uma decisão contra o rival, o CORITIBA necessitava apenas de um empate e ele veio de forma emocionante com o Alto da Glória superlotado, contra a equipe do Ferroviário, jogo que terminou empatado em 2 x 2, resultado que garantiu o SEGUNDO TURNO ao
CORITIBA e que iria decidir novamente o estadual com o maior rival numa melhor de três.


O primeiro jogo da decisão foi no Belfort Duarte que estava lotado. O
CORITIBA venceu por 2×1, com gols de Oromar e Krüger, já recuperado. O resultado dava ao CORITIBA a vantagem de jogar por um empate no segundo jogo para se consagrar campeão.


A segunda partida
foi realizada no Durival de Britto, onde o rival mandava seus jogos e precisando vencer, o CAP marcou seu gol com Zé Roberto, o que levaria a decisão para uma terceira partida.

O tempo passava e a esperança da torcida coxa-branca se misturava com angustia. A torcida rival comemorava a vitória parcial e a cada minuto se enchia de esperança em levar a decisão para um terceiro jogo.

No entanto, nos minutos finais, quando todos pensavam que haveria uma terceira partida, o
CORITIBA mostrou sua arma, com a entrada de Paulo Vecchio.

Em cobrança de uma falta no lado esquerdo Nilo levantou na área, Bellini não alcançou e Paulo Vecchio cabeceou para o gol, dando números finais ao campeonato e fazendo a nação coxa-branca explodir de alegria e virar a madrugada curitibana com uma festa que marcou a cidade e o futebol do paranaense.

 

A campanha que garantiu o título em 1968 foi a seguinte
14 vitórias – 11 empates – 3 derrotas
Jogo decisivo: Coritiba 1×1 Atlético-PR
Data: 28/08/1968
Local: Vila Capanema
Time Base: Célio, Deleu (Reis), Nico, Modesto e Nilo; Lucas (Roderley) e Rossi; Oromar (Coutinho), Kosilek, Krüger (Walter) e Edson
Artilheiro da equipe: Kosilek (22 gols)

CAMPEONATO PARANAENSE 1972
(3x2 em decisões para o Coritiba)
História
Enquanto o presidente da Federação se esforçava de um lado para realizar os jogos no Pinheirão, de outro lado, Evangelino, presidente do CORITIBA,  foi a CBF no Rio de Janeiro e após muita conversa os jogos foram realizados no Estádio Belfort Duarte, que na época ganhava três anéis na curva de fundos.


Nesse mesmo ano, antes da decisão do Estadual, o CORITIBA excursionou pela Europa pela terceira vez e sem perder nenhuma partida ganhou o título de Fita Azul.

Além da excursão pela Europa, o
CORITIBA foi convidado para participar do Campeonato Brasileiro e com uma bela campanha, terminou a competição em 5º lugar, sendo eliminado pelo Palmeiras, que acabou sendo campeão nacional daquele ano.

Competição
Novamente como em anos anteriores o Campeonato de 72 seria disputado em dois turnos por pontos corridos e a equipe que vencesse os dois turnos era declarada campeã. No caso de um vencedor em cada turno, o campeão seria decidido em uma disputa de três partidas. 



Mas antes da excursão para a Europa o Coritiba adiantou 7 jogos e assim como em 1941, 1968 o time da baixada novamente levou o primeiro turno. 

Na volta o COXA conquistou o returno em uma grande disputa contra o rival Atlético-PR e levou a decisão para a série de três partidas.
Como o time da baixada não tinha estádio e a Vila Capanema não tinha capacidade para atender grandes espetáculos, os 2 jogos da decisão foram no Belfort Duarte e contaram com grandes públicos.

Na primeira partida o
CORITIBA venceu por 1×0, com gol de Krüger e para conquistar o título bastava um empate no segundo jogo. E foi o que aconteceu; o goleiro Jairo fechou o gol e o placar foi 0×0.

Coritiba BI-CAMPEÃO PARANAENSE e a torcida alviverde foi ao delírio e comemorou a conquista sobre o rival fazendo muita festa e confiante na força de um grande time para os próximos anos.


A campanha que garantiu o título em 1972 foi a seguinte
31 vitórias – 10 empates – 3 derrotas 
Jogo decisivo: Coritiba 0×0 Atlético-PR
Data: 03/09/1972
Time Base: Jairo (Célio), Hermes, Pescuma, Cáudio e Nilo; Hidalgo e Krüger, Leocádio, Hélio Pires e Zé Roberto (Tião Abatiá) e Dirceu (Dreyer)
Artilheiro da equipe: Tião Abatia (21 gols)

CAMPEONATO PARANAENSE 1978
(4x2 em decisões para o Coritiba)
História

No período áureo do CORITIBA, as vitórias sobre o CAParanaense foram muitas e sem dúvida alguma a década de 70 foi do CORITIBA, que já havia sido hexa-campeão, mas em 1977, perdeu o hepta-campeonato nos penâltis para o Grêmio Maringá. 

Em 77, o Estádio deixou de ser  Belfort Duarte, para se chamar Estádio Major Antônio Couto Pereira, em homenagem ao homem que adquiriu o terreno do estádio e presidiu o Coritiba por anos.


Competição
O campeonato foi marcado por fórmulas confusas em quatro fases distintas. A primeira fase, contava com catorze equipes e foram dividas em dois grupos de sete equipes e se classificaram, pra segunda fase os apenas os melhores.
Na segunda fase, as equipes foram divididas em três grupos, com turno e returno, e se classificariam os oito melhores para a Terceira Fase.


A Terceira Fase,
foi um quadrangular com dois grupos, em turno e returno, os ganhadores dos grupo iriam para a Final, a Quarta Fase.


Os vencedores foram Coritiba e At Pr, que iriam se enfrentar na grande final, numa melhor de três partidas.
Foram cerca de 150 mil pessoas que acompanharam as três partidas decisivas, realizadas no Couto Pereira e que terminaram empatadas em 0×0.

Na última partida, em especial, foram 56.952 pessoas que viveram momentos marcantes na história do nosso futebol.
A decisão então foi para a disputa de pênaltis e daí pesou a grande experiência do goleiro Manga, que induziu os cobradores do Atlético, a baterem as suas penalidades do lado que suponham estar machucado, visto o goleiro Manga ter colocado uma faixa na perna boa. O Coritiba venceu por 4×1, colocando mais uma vez seu nome entre os campeões do Estado.
A Campanha que deu o título de 78 ao Coritiba foi a seguinte
9 vitórias – 11 empates – 5 derrotas 
Jogo decisivo: Coritiba 0×0 Atlético-PR
Data: 17/12/1978
Time Base: Manga, Norival, Duílio, Eduardo e Cláudio (Reginaldo); Almir, Borjão e Pedro Rocha; Liminha, Chico Explosão e Mug
Artilheiro da equipe: Pedro Rocha (6 gols)

Nos anos de 1983, 1990, 1998 e 2000 foi a vez do time da baixada vencer as decisões.
(Com isso o CAParanaense virou em decisões para 6 a 4)


CAMPEONATO PARANAENSE 2004
(6x5 em decisões para o CAP)
História

A conquista do Paranaense de 2004 é um marco na memória dos coxas-brancas, e assim como as demais decisões, essa também não poderia ser diferente. 

O rival tinha um dos melhores times da história, fato esse comprovado pelo vice do Brasileiro. O CORITIBA pela bela campanha no ano anterior no Brasileiro, iria disputar a Libertadores e também primava pela disciplina, garra e determinação.


Competição

A competição teve 4 fases. Na primeira fase 16 equipes foram dividas em dois grupos de 8 e se classificaram os seis melhores. 

Na segunda fase, os 12 times foram divididos em dois grupos e se classificaram para as semi-finais os dois melhores dos grupos.


Na semi-final, quatro clubes divididos em dois grupos em jogos em ida e volta e os vencedores em seus grupos foram CORITIBA e CAParanaense.


A FINAL
A vantagem de jogar por dois empates era do rival. Na primeira partida no Couto Pereira, o atacante Tuta desfalcou o CORITIBA, mas Aristizábal marcou no primeiro tempo, e Luís Mario, fazendo um golaço na segunda etapa, ajudou o CORITIBA a reverter a vantagem para o segundo jogo que seria disputado na Baixada.Vitória Coxa na primeira partida por 2 x 1.

A segunda partida final foi realizada no dia 18 de abril e com um bonito gol de Jucemar, o CORITIBA abriu o marcador na Arena. O CAParanaense empatou e virou a partida. Tuta empatou para o Cori em 2 x 2, mas o adversário fez o terceiro gol, e terminou o primeiro tempo em vantagem.


Mesmo atrás do marcador em duas ocasiões, o Coxa buscou o empate e ganhou mais que o título, silenciou a Arena e quebrou o paradigma da própria Arena e o mito de ser uma torcida fria, mas que não parou de cantar Cooooooooooooxaaaaaaaa o segundo tempo inteiro. 

Com o apoio que não parava vindo das arquibancadas, numa cobrança de escanteio o CORITIBA marcou o 3º gol com Tuta, gol do título, e levantou o caneco dentro da Baixada. A festa se estendeu pela madrugada curitibana.


A Campanha que deu o título de 2004 ao Coritiba foi a seguinte
11vitórias – 4 empates – 1 derrota
Jogo decisivo: Coritiba 3×3 Atlético-PR
Data: 18/04/2004
Estádio: Estádio Joaquim Américo
Time Base: F.P, Jucemar, Reginaldo Nascimento, Miranda e Adriano; Márcio Egídio, Ataliba, Capixaba e Luis Mário (Rodrigo); Aristizábal e Tuta (Laércio)
Técnico: Antonio Lopes
Artilheiro da equipe: Tuta (6 gols)

Em 2005 foi a vez do rival levar nos penaltis o título na Arena.
(7x5 em decisões para o CAP)

CAMPEONATO PARANAENSE 2008
(7X6 em decisões para o CAP)

História
Depois de conquistar o Brasileiro da série B em 2007, o Coritiba precisava vencer no início de 2008 para mostrar que o retorno à primeira divisão não foi por acaso e que o Clube seria competitivo no nacional, fator comprovado quando dos 4 que subiram em 2007, o COXA terminou melhor colocado que todos eles.


Naquele ano o time enfrentou altos e baixos e precisou superar muitas adversidades, entre elas, a desconfiança  por parte da imprensa e adversários, e chegou a a atingir até alguns torcedores alvi-verdes.

Esse campeonato ficou marcado também pela atitude anti-desportiva praticada pelo mandatário do rival, MCP, que impediu a entrega dos troféus e medalhas a equipe do Coritiba.

Competição

PRIMEIRA FASE
As dezesseis equipes jogaram entre si, apenas em turno. Após quinze rodadas os oito primeiros colocados se classificaram para a Segunda Fase.
SEGUNDA FASE
Oito clubes em dois grupos de quatro. Jogaram em ida e volta com os dois melhores de cada grupo passando para as semi finais. 

SEMI FINAL
Quatro clubes foram divididos em dois grupos em jogos em ida e volta e os vencedores em seus grupos foram Coritiba e Atlético Pr.

A DECISÃO
A decisão foi realizada em 180 minutos e no primeiro jogo da decisão realizado no Couto Pereira, o Coritiba saiu em vantagem, e venceu por 2 x 0, com gols de Carlinhos Paraíba no primeiro tempo e Keirrison na etapa final.

Na segunda partida da decisão, na Arena o rival tinha que marcar no mínimo 2 gols para forçar a prorrogação e foi o que aconteceu.

O primeiro tempo terminou 1 x 0 e o segundo gol do rival viria no segundo tempo. 

A prorrogação parecia evidente, mas daí surge do banco de reservas, HENRIQUE DIAS, o iluminado, e assim como marcou o gol da decisão do Brasileiro da Série B em 2007, novamente ele se torna o herói de uma decisão para o COXA e de cabeça marca o gol do título em plena Arena da Baixada. O Coritiba, mais uma vez, sagrava-se Campeão Paranaense.




A Campanha que deu o título de 2008 ao Coritiba foi a seguinte
Campanha: 17 vitórias – 2 empates – 6 derrotas
Jogos decisivos
Primeira partida - Couto Pereira - 27/04/2008
Coritiba 2 x 0 Atlético Pr
Segunda Partida - Arena da Baixada - 04/05/2008
Atlético-PR 2 x 1 Coritiba
Placar agregrado Coritiba 3 x 2 Atlético Pr
Time Base: Edson Bastos, Marcos Tamandaré, Jeci, Mauricio e Rubens Cardoso (Ricardinho); Douglas Silva, Leandro Donizete (Rodrigo Mancha), Carlinhos Paraíba (Marlos), Pedro Ken, Keirrison e Henrique Dias (Thiago Silvy)
Técnico: Dorival Junior
Artilheiro da equipe: Keirrison (18 gols)

CAMPEONATO PARANAENSE 2010
O jogo que valia o título
(7 x 7 em decisões)
História

O início do ano para o CORITIBA e sua fiel torcida não era nada promissor, depois de ser rebaixado no Campeonato Brasileiro no ano anterior, ter seu estádio interditado, a torcida parecia estar meio dispersa, desconfiada e até parecendo um tanto quanto perdida, devido a diversos fatores que culminaram com a queda em 2009.

No entanto foi o ano da virada e da volta por cima e aos poucos, o clube foi recuperando a auto estima e a confiança começava a voltar ao Alto da Glória e passo a passo, torcida e time, juntos foram escrevendo a história de um novo começo e não podia começar melhor, com um título em cima do maior rival.

Competição
O campeonato teve nesse ano pela última vez, uma fórmula esdrúxula e injusta, fórmula essa que foi duramente criticada e condenada por muitos e que era conhecida como o Super Mando.

PRIMEIRA FASE As quatorze equipes jogaram entre si, em apenas em turno. Os oito primeiros colocados se classificam para a Segunda Fase. O primeiro colocado da primeira fase levava dois pontos extras para a fase final e o segundo colocado entrava com um ponto extra.


NA FASE FINAL, os oito clubes jogam novamente em turno único. Quem somasse mais pontos, nesta fase, seria o campeão. E com uma rodada de antecedência, o CORITIBA sagrou-se campeão paranaense em cima do maior rival no Couto Pereira depois de 32 anos.

A DECISÃO
O Coritiba entrou na fase decisiva, com dois pontos extras, pois conquistou a primeira fase. Apesar do nervosismo ter atrapalhado a equipe no início da decisão, o Coritiba soube jogar com as vantagens do regulamento e com a torcida ao seu lado e sem grande sustos venceu a partida por 2x0.  

Gols de Marcos Aurélio, e Geraldo. Coube ao rival, sem força para reagir, apenas ver o Alviverde tocar a bola até chegar no segundo gol, quando o grito de "É Campeão" tomou conta do Alto da Glória. Mesmo sendo com uma rodada de antecedência, conquistou o título em cima do maior rival.

A Campanha que deu o título de 2010 ao Coritiba foi a seguinte
15 vitórias – 4 empates – 1 derrota
Jogo decisivo: Coritiba 2×0 Atlético-PR
Data: 18/04/2010
Estádio: Estádio Couto Pereira
Time Base: Edson Bastos, Vanderlei, Ariel, Demerson, Jéci, Lucas Mendes, Pereira, Bill, Marcos Paulo, Rodrigo Heffner, Leandro Donizete, Tiago Real, Renatinho, Marcos Aurélio, Rafinha, Geraldo, Andrade e Dênis.
Técnico: Ney Franco
Artilheiro da equipe:Ariel com 11 gols.

CAMPEONATO PARANAENSE 2011
O jogo que valia o título
(O desempate: 8 x 7 títulos sobre o rival)
História
Depois da volta por cima em 2010, sendo campeão paranaense e campeão brasileiro da série B, o Coritiba entrava como favorito no Campeonato de 2011 e começou o ano com a pré-temporada em Foz do Iguaçu e lá mesmo, uma vitória por 10×0 em um jogo treino contra o ABC já era prova do que estava por vir.

Depois de levar o campeonato na Arena em 2004, com um empate, e em 2008 com uma derrota, agora em 2011 era a vez de levar o título com uma vitória inquestionável e em menos de 10 anos o CORITIBA conquistava seu 3º título na Baixada e ainda de forma invicta.

Competição
TURNOS
O Campeonato foi dividido em dois turnos com 12 equipes e que jogaram em partidas de ida e volta.
Quem fosse o primeiro colocado do turno, estava automaticante garantido na FINAL.

O primeiro turno foi vencido pelo Coritiba e também em cima do maior rival no Couto Pereira, vencendo a partida por 4 x 2. 

Pra forçar uma final, outro clube, necessitaria ganhar o segundo turno, coisa que não aconteceu, pois quem venceu também o segundo turno, foi a equipe do Coritiba, e acabou conquistando o 35º título estadual em cima do maior rival, com uma rodada de antecedência.


A decisão
Os nomes da partida foram Bill e Leonardo. Aos 31min Bill aproveitou o rebote do goleiro e cabeceou para fazer 1×0. Ainda no primeiro tempo, Bill novamente, aos 44′, o atacante arriscou de longe e a bola foi parar no canto esquerdo do gol, marcando o segundo gol na Arena. 2 x 0.

No segundo tempo de forma inteligente e totalmente superior, o Coritiba administrava a partida e tocava a bola, aos gritos de olé da torcida coxa-branca, e após bela troca de passes, de quase todos os atletas, a bola foi parar nos pés do goleiro Edson Bastos, que efetuou o lançamento e encontrou Leonardo, ele recebeu no ataque e tocou por cobertura, fazendo 3×0, garantindo 21ª vitória consecutiva do Coxa na temporada e o título de campeão por antecipação do CORITIBA. 
Com o título o CORITIBA se consolida como tendo mais títulos sobre o rival.

A Campanha que deu o título invicto de 2011 ao Coritiba foi a seguinte
20 vitórias – 2 empates – 0 derrota
Jogo decisivo: Atlético-PR 0 x 3 Coritiba
Data: 24/04/2011
Estádio: Arena da Baixada

Time Base: Edson Bastos; Jonas, Pereira, Emerson, Lucas Mendes; Léo Gago, Leandro Donizete, Rafinha, Davi; Marcos Aurélio e Bill.
Técnico: Marcelo Oliveira

Artilheiros da equipe: Bill E Davi com 12 gols.





CAMPEONATO PARANAENSE 2012
(9 x 7 títulos sobre o rival)

Antes mesmo do campeonato paranaense começar, ele já tinha um favorito: O CORITIBA. Tal favoritismo se deu pela bela temporada realizada em 2011 e que credenciava a equipe do Alto da Glória como franca favorita a conquista do caneco estadual.

Além da pressão pela excelente campanha que garantiu o bi invicto, outro fator estava em jogo para o CORITIBA: A possibilidade da conquista do TRI-CAMPEONATO depois de quase 40 anos.

No entanto o favoritismo conquistado antes do campeonato iniciar não se confirmou quando a bola rolou e o time alviverde oscilando partidas boas e razoáveis, viu o rival que acabara de ser rebaixado na competição nacional, conquistar o primeiro turno.

No entanto, no segundo turno o Coritiba deu uma arrancada, vindo a conquistá-lo justamente em cima do time ruborizado com uma goleada por 4 a 2  no Couto Pereira, vindo a forçar uma final com o próprio A.Paranaense realizadas em dois jogos.


As duas partidas terminaram empatadas e levaram a decisão para os penais e depois de  39 anos o Coxa consolidou a hegemonia no Estado e nos penâltis venceu o arqui-rival por 5 a 4 e o sonhado TRI-CAMPEONATO  foi conquistado merecidamente.

COMPETIÇÃO

TURNOS



O Campeonato foi dividido em dois turnos com 12 equipes e que jogaram em partidas de ida e volta.

Quem fosse o primeiro colocado do turno, estava automaticante garantido na FINAL.

O primeiro turno foi vencido pelos ruborizados na última rodada em cima da equipe do ACP por 3 a 1 em Paranavaí.

O Coxa mesmo com a goleada em cima do Roma por 5 a 0 e sem perder no TURNO chegou em segundo e se obrigou a vencer o segundo turno para forçar uma final com o time da baixada.

E foi o que aconteceu e com gosto especial já que o 2º turno foi conquistado em cima deles com mais uma goleada, forçando a final com o próprio CAParanaense em duas partidas.


A DECISÃO
PRIMEIRO JOGO

A primeira partida da grande decisão foi marcada para o Estádio Durival de Brito, visto o estádio dos pedintes estar sendo reformado para a COPA 2014 com DINHEIRO PÚBLICO e no Estádio do CO-IRMÃO, o resultado foi um empate de 2 x 2.

O COXA saiu na frente com Éverton Ribeiro aos 19' da primeira etapa, mas o time do CORONEL empatou ainda no primeiro tempo aos 26'

No segundo tempo as cachorrinhas de madame viraram aos 9' e aos 33' Anderson Aquino empatou tudo na Vila Capanema.


SEGUNDA PARTIDA
Realizada no Couto Pereira e apesar da superioridade coxa-branca a equipe Alviverde não conseguiu converter em gols seu domínio e a partida terminou empatada sem gols, levando a decisão para os pênaltis.


PENÂLTIS
Lincoln, Roberto, Junior Urso, Everton Costa e Everton Ribeiro cobraram para o Coritiba e fizeram.

Do outro lado o "HÉROI" da noite, Guérron que perdeu a 4ª cobrança e deixou a equipe do Alto da Glória muito perto da conquista do TRI-CAMPEONATO.

Na última cobrança, foi só esperar a batida de Everton Ribeiro balançar as redes sem antes bater na trave e morrer nos fundos das redes e garantir o 36º título COXA-BRANCA e a conquista do histórico TRI-CAMPEONATO, com gosto mais que especial, já que foi em cima do maior rival.

Assim o CORITIBA amplia sua vantagem sobre o rival tendo conquistado 9 títulos em cima deles contra 7. 

A CAMPANHA
24 JOGOS
  

16 vitórias – 7 empates – 1 derrota

Jogo decisivo: CORITIBA 0 x 0 A. Paranaense
Nos penâltis
CORITIBA 5 X 4 A.Paranaense
Data: 06/05/2012 - Domingo
Estádio: Couto Pereira

Time Base:
Vanderlei, Gil, Emerson, Demerson, Lucas Mendes, Junior Urso, Tcheco, Everton Ribeiro, Rafinha, Roberto e Anderson Aquino.
Técnico Marcelo Oliveira
Artilheiros da equipe: Emerson e Lincoln com 8 gols.


Colaboração: Site Oficial

Nenhum comentário:

Postar um comentário