banner

17 de abr de 2017

MEMÓRIAS DE INFÂNCIA

Memórias de um torcedor coxa-branca


O fiel torcedor coxa-branca, Aldo Roberto Mattar, que era mascote do Coritiba na década de 70 sempre entrava com os jogadores em campo e registrou esse momento histórico com Pelé, antes da partida contra o Santos. Aldo Roberto Mattar à esquerda e seu amigo "Japa" Mitsuo à direita


O jogo que ocorreu na data de 18 de novembro de 1973 terminou 2x1 para o Santos e teve um golaço do Pelé e outro de Edú para a equipe santista. Para o Coxa marcou Zé Roberto que entrou no lugar do Dreyer.


O REENCONTRO


Depois de exatos 43 anos, o reencontro aconteceu em 17 de novembro de 2016. Nesta data, Pelé veio a Curitiba e Aldo foi ao seu encontro e mostrou-lhe a foto. 
Pelé emocionado, o cumprimentou e autografou a foto (na mão).

"Memória que ficará registrada para sempre, que guardarei com muito carinho e mostrarei para minha posteridade",
conta ele.



Memórias de um torcedor coxa-branca !

11 de abr de 2017

COUTO PEREIRA CONSTRUÍDO COM RECURSOS PRÓPRIOS

Uma história bela e limpa !

Atualidade

Se existe algo que a Nação Coxa-Branca pode se orgulhar é que nossa casa - o Couto Pereira - não tem um centavo de dinheiro público. 

Diferentemente da Arena Condor, sabemos que a engenharia na construção do Couto foi bem diferente e não teve emprego de Dinheiro Público.

Foi um financiamento na primeira fase. Quando Arion Cornelsen, reformou o COUTO PEREIRA, o dispositivo legal usado foi o BOLO ESPORTIVO, não como a loteria esportiva, um evento que o CLUBE por lei, podia promover.
E não também, com o GOVERNO e a PREFEITURA bancando dois terços da obra como no caso da Arena Gov. Além do mais o terreno do Couto foi comprado, não é fruto de doação, como é o caso da baixada.
São coisas bem diferentes.



Você torcedor coxa-branca que acompanha, O Blog Tua Camisa Alviverde, já faz alguns anos, você e toda a Nação Coxa-Branca tem o meu respeito e você atleticano que por curiosidade entrou aqui para bisbilhotar, precisam entender uma coisa bem simples.

Se algum dia vocês tiverem que financiar um imóvel pela CEF, terão que pagar o VALOR TOTAL, corrigido, mês a mês, ano a ano e não apenas 1/3, como aconteceu com a Arena, onde restante a Prefeitura e o Governo do Estado assumiram o compromisso e por mais que vocês queiram, os órgãos públicos não irão pagar o restante.


Ahhh, e se não conseguirem pagar o banco "tomará" o imóvel para ele mesmo, e não importa se tenham trocado o telhado com recursos próprios.

Ou seja, a torcida coxa-branca é a única que pode bater no peito e se orgulhar da história do seu estádio, pois o Couto Pereira foi construído com o suor da sua gente, coisa que os torcedores ruborizados não podem dizer.


AS VÁRIAS FACETAS DO COUTO








Antiga divisão das torcidas


Placar eletrônico instalado na década de 90














Colaborou: A Gazeta do Povo

Tua Camisa Alviverde para sempre hei de amar

Por Fernando Maio da Silva


3 de abr de 2017

CLÁSSICO ATLE-TIBA

O MAIOR CLÁSSICO DO ESTADO


Mais um clássico ATLE-TIBA retratado pelo Jornal "Diário Popular" de 1979.

Foram 6 partidas em 79 e o Coritiba não perdeu nenhuma partida naquele ano.


Retrospecto 1979


Vitórias: 3
Derrotas: 0
Empates: 3
Gols pró: 9
Gols contra: 3
Saldo: 6



Partidas


Das 6 partidas naquele ano, cinco foram pelo Campeonato Paranaense e a última pelo Brasileirão, todas realizadas no Estádio Couto Pereira.

Placares 

Coritiba 2 x 0 CAP  
 08/04

Coritiba 3 x 0 CAP 
10/06

Coritiba 1 x 1 CAP 
05/08

Coritiba 1 x 1 CAP
03/09



Coritiba 1 x 0 CAP

12/09

Coritiba 1 x 1 CAP
07/10


Colaborou: Arquivos do Futebol Paranaense e Helênicos do Coritiba.




"Tua Camisa Alviverde para sempre hei de amar"





Por Fernando Maio da Silva

Relembrando: CORITIBA 1972

A DÉCADA DE OURO

Recorte do Jornal "Diário do Paraná
em 1972 


Colaborou: Arquivos do Futebol Paranaense


"Tua Camisa Alviverde para sempre hei de amar"


Por Fernando Maio da Silva

COLORADO 3 X 3 CORITIBA

COLORADO & CORITIBA JÁ FOI 
CLÁSSICO TAMBÉM


Último clássico Colorado x Coritiba 

da história em 1989.

O jogo válido pelo 
3° Turno da 8ª Rodada do Campeonato Paranaense daquele ano, ocorreu na d
ata de 08 de julho de 1989, numa saudosa tarde de Sábado.
O PLACAR terminou empatado com 3 tentos para cada lado e marcou o último clássico do extinto time do Colorado.


Local: Estádio Durival Britto e Silva


Juiz: Julião Queirolo.

Renda: NCr $ 8.090 ,00

Público: 2 .184 pagantes

Gols: Nílton aos 14 minutos do 1° tempo; João Pedro aos 11 minutos, Nelsinho aos 13 minutos, Luisinho aos 17 minutos , Chicão aos 21minutos e Roberto Gaúcho aos 28 minutos do 2° tempo 

Cartão vermelho: Ednélson aos 40 minutos do 1º tempo.

ESCALAÇÃO
Colorado: Jocelí; Luisinho, Ariomar, Roger (Aílton) e Ednélson; Ney Santos, Nílton e Marcão; Nelsinho (Castor), Luiz Américo e Zé Maria. Técnico: Ary Marques. 

Coritiba: Gérson; Polaco, Vica, João Pedro e Mário Sérgio (Pecos); Marildo, Serginho e Tostão; Carlos Alberto Dias, Chicão e Kazu (Roberto Gaúcho). Técnico: Edu Antunes.

Colaborou: Arquivos do Futebol Paranaense

"Tua Camisa Alviverde para sempre hei de amar"

Por Fernando Maio da Silva